Os rins são os órgãos encarregados pelo equilíbrio de água e sais do corpo, exercendo também uma importante função na eliminação de substâncias metabolizadas pelo organismo. Para que isso ocorra, cada rim é formado de um milhão de pequeninas estruturas denominadas de néfrons. Há diversos tipos de câncer de rim, porém, o mais comum ocorre em consequência da transformação das células dos túbulos que compõem os néfrons, que começam a se proliferar de maneira anormal e ganham a capacidade de invadir o órgão e até, em algumas situações, transitar pelo corpo e gerar tumores em outras partes do corpo (metástase).

O rim também pode ser alvo de metástases de outros tipos de câncer que têm início em órgãos à distância, como por exemplo a mama, pele, bexiga e os ductos que transportam a urina até a bexiga.

Fatores de risco

Mesmo as causas do câncer de rim ainda não sendo claras, há fatores que podem elevar o risco deste tipo de câncer, como:

  • Idade avançada;
  • Tabagismo;
  • Hipertensão;
  • Obesidade;
  • Histórico familiar;
  • Tratamento para insuficiência renal, como diálise;
  • Carcinoma papilar renal hereditário;
  • Doença de von Hippel-Lindau (doença hereditária que atinge os vasos sanguíneos do cérebro, olhos e outras partes do corpo).

Sintomas

Quando ainda nas fases iniciais, o câncer de rim não costuma causar sintomas. Muitas vezes, o diagnóstico é realizado quando a lesão atinge 10cm de diâmetro ou mais. Outras vezes, são descobertos incidentalmente durante a realização de exames de check-up (como em uma ultrassonografia do abdômen, por exemplo). Quando aparecem, os sinais e sintomas mais comuns são:

Hematúria

Consiste na presença de sangue na urina. É resultado do rompimento de vasos sanguíneos no interior da massa tumoral. Acontece em 40% a 50% dos pacientes.

Dores na região lombar

Constituem queixas em cerca de 40% dos casos. Ocorre devido aos rins estarem situados na parte mais profunda do abdômen, perto da coluna vertebral. À medida que o tumor cresce, pode pressionar as raízes nervosas da região lombar.

Emagrecimento

A perda de peso ocorre em 30% dos pacientes. Tende a estar associada a tumores mais avançados e a prognósticos menos otimistas. 

Outros sintomas gerais são:

  • Diminuição do apetite;
  • Cansaço;
  • Palidez;
  • Febre intermitente.

Quando a doença está mais avançada e com envolvimento de outros órgãos, os sintomas mais comuns são:

  • Aumento do volume abdominal, causado devido a grandes massas tumorais nos órgãos do abdômen;
  • Inchaço nas pernas, quando acontece invasão dos linfonodos;
  • Falta de ar e tosse (frequentes em casos de proliferação para os pulmões);
  • Dores ósseas ou fraturas, associadas a metástases ósseas;
  • Dor de cabeça, tontura, visão dupla e perda de força muscular de um dos lados do corpo (sintomas que indicam comprometimento cerebral).

Tratamento

O único tratamento definitivo para o câncer de rim é a cirurgia. A esse procedimento dá-se o nome de nefrectomia radical, que consiste na remoção do rim, da glândula adrenal e de linfonodos regionais. Este é o tratamento convencional mais indicado para quadros de tumores que têm sua origem nos rins.

Quando no momento da cirurgia o urologista identifica o comprometimento do sistema linfático ao redor do órgão pelo câncer do rim, é recomendada a retirada em conjunto. Este procedimento chama-se esvaziamento de linfonodos ou linfadenectomia. 

De acordo com a evolução da medicina, dos procedimentos para diagnóstico e dos métodos de cirurgia minimamente invasiva, como a laparoscopia, cirurgia robótica, crioterapia e radiofrequência, a nefrectomia parcial (retirada somente do tumor, com margem de segurança) tem sido priorizada à retirada completa do rim afetado.