A fimose consiste no excesso de pele que recobre o pênis a exposição da glande (cabeça do pênis). Esta é uma condição bem comum nos bebês meninos e costuma desaparecer com o passar do tempo, porém, se o problema persistir na adolescência, pode haver necessidade de uma intervenção cirúrgica simples para a retirada dessa pele.

Já em homens adultos, pode causar câncer de pênis e problemas no desempenho sexual. Quando ocorre nas crianças, é normal causar dor e inflamação. 

Tipos de fimose

A fimose é classificada em dois tipos:

  • Fimose fisiológica

Presente desde o nascimento, é a condição mais comum.

  • Fimose secundária

Pode aparecer em qualquer fase da vida e surge após um quadro de infecção ou traumatismo local.

Causas da fimose

Quando acontece na infância, a fimose. Tem cura e nem sempre é preciso uma intervenção cirúrgica ou tratamento específico, já que a condição pode se resolver naturalmente com o passar do tempo. Por isso, a criança deve passar por uma avaliação pediátrica.

Quando nasce um bebê do sexo masculino, é normal que ele apresente dobra na pele que protege o pênis, aderido à extremidade do órgão, chamada de glande. Quando alcançam 6 meses de idade, 20% das crianças já possuem o prepúcio retrátil. Aos 3 anos, uma média de 50% dos meninos já retrai com facilidade e aos 17 anos, esse número abrange 99% dos casos. 

Contudo, a fimose também pode ser provocada por repetidos episódios de infecção na pele ou na glande durante os primeiros anos de vida ou ainda na adolescência e fase adulta. Esse quadro é responsável por desencadear uma piora da pele que recobre a glande, impossibilitando sua exposição.

Diagnóstico

O diagnóstico da fimose é realizado somente através do exame físico, durante uma avaliação clínica pelo médico urologista, que comprova que a glande não consegue ser exposta quando a pele é retraída, ou seja, a única maneira de confirmar a presença da fimose é tentar retrair a pele que envolve a glande do pênis manualmente.

A fimose é representada pela incapacidade de ver completamente a glande. A primeira verificação da presença da fimose é realizada no bebê recém-nascido, fazendo parte de todas as consultas pediátricas até os 5 anos.

Em casos de fimose secundária, que pode aparecer na adolescência ou na vida adulta, o próprio homem pode observar a existência de alguma dificuldade na retração da pele. Quando se verifica a existência da fimose, recomenda-se uma consulta com um urologista para uma melhor avaliação e uma escolha de tratamento mais adequada.

Tratamento

Os tratamentos mais indicados para tratar a fimose são:

  • Pomadas à base de corticoides

Por possuírem propriedades anti-inflamatórias, analgésicas e antibióticas, o que facilita o deslizamento da pele sobre a glande.

  • Exercício de retração da fimose

Indicada para meninos com mais de 5 anos. Consiste em um exercício para retração da pele do prepúcio sem forçar demais ou causar dor. Essa prática serve para ir soltando a pele pouco a pouco.

Cirurgia de fimose

A cirurgia é indicada somente quando as outras formas de tratamento não surtem efeito. O procedimento pode ser realizado retirando completamente a camada de pele que envolve a glande do prepúcio ou realizando somente um ou diversos pequenos cortes na pele, o suficiente para possibilitar que a pele impeça a exposição da glande.

Além da remoção dessa pele, o médico ainda pode fazer um corte que liberta o freio curto do pênis.

Em pacientes adultos, a cirurgia pode ser feita sob anestesia local através do bloqueio peniano e, em crianças, a cirurgia é melhor realizada com anestesia geral. Normalmente, a cirurgia deve ser realizada antes da adolescência, pois a fimose pode interferir na qualidade da atividade sexual e, excepcionalmente, pode prejudicar a fertilidade, dificultando a saída de sêmen.